Evite as 5 doenças que mais matam no Brasil

Evite as 5 doenças que mais matam no Brasil

Dados do Ministério da Saúde apontam as doenças que mais matam no Brasil. Na compilação mais recente, dos óbitos registrados em 2010, percebe-se a forte incidência de problemas cardiovasculares e pulmonares. Como essas enfermidades tendem a piorar com o avanço da idade, é preciso tomar, desde cedo, medidas preventivas para levar uma vida mais saudável. Saiba quais são elas e proteja-se.

As 5 doenças que mais matam no Brasil

As variadas formas de câncer são uma preocupação constante da medicina – e da população brasileira, também. Segundo pesquisa do Ibope, a maioria dos internautas acredita que essa seja a principal causa de morte no país. O estudo foi encomendado pelo movimento Ame o Coração.

No entanto, embora a ocorrência de tumores malignos seja uma questão importante, eles não figuram na famigerada lista. De acordo com os números do Ministério da Saúde, as doenças mais fatais são:

1.272

Foram 99.732 mortes, em 2010. O exemplo mais comum é o derrame, causado por sangramento ou por interrupção do fluxo sanguíneo no cérebro.

2.Infarto

O ataque do coração vitimou 79.668 brasileiros, no mesmo ano. O problema se caracteriza pela necrose de parte do músculo cardíaco, comprometendo o funcionamento do órgão.

3.Pneumonia

A inflamação do pulmão matou 55.055 pessoas no Brasil, em 2010. Tosse, dor no tórax e dificuldade para respirar são os principais sintomas.

4.Diabetes mellitus

A deficiência na produção de insulina pode levar a perda de peso e outros desequilíbrios metabólicos. No ano considerado no levantamento, foram 54.877 mortes.

5.Doenças hipertensivas

Pressão alta está ligada a acidentes vasculares cerebrais (AVC), aneurismas e infartos. Apenas em 2010, ocasionou 45.054 óbitos, no país.

Como prevenir as doenças que mais matam no Brasil

Adotar hábitos saudáveis reduz consideravelmente as chances de desenvolver algum problema. Apesar de muitos quadros serem genéticos, o estilo de vida colabora para que os pacientes sigam a rotina com qualidade. Dessa forma, é possível evitar complicações severas e, até mesmo, diminuir a quantidade de remédios ingeridos.

A primeira precaução está no cardápio. Médicos e nutricionistas recomendam uma dieta equilibrada, com base em vegetais frescos e carnes magras. Deve-se controlar o consumo do álcool, bem como o excesso de doces e frituras. Esses quitutes aumentam os níveis de glicose e colesterol no corpo, abrindo espaço para quadros de hipertensão e diabetes.

O tabagismo também precisa ser combatido. O cigarro possui nicotina e outras substâncias tóxicas, que causam dependência e comprometem a integridade do sistema respiratório. Fumar agrava os riscos de enfisema pulmonar e câncer, principalmente no pulmão e na boca.

Para conquistar um dia a dia ainda mais saudável, orienta-se à prática de atividades físicas. Realizar exercícios moderados por meia hora, pelo menos três vezes por semana, já é o bastante para escapar do sobrepeso e dos problemas decorrentes.

Completando o rol de cuidados, indica-se a realização regular de exames, especialmente se houver histórico de doenças crônicas na família. Os check-ups servem para monitorar indicadores de saúde e identificar problemas antes que virem casos graves.

Se houver um diagnóstico mais sério, o tratamento deve ser realizado por profissionais de qualidade. As medidas podem incluir a prescrição de medicamentos e, em estágios avançados, a realização de cirurgia.

Contratar um convênio particular é uma forma de ter acesso aos serviços adequados e garantir o seu bem-estar e o de sua família – sem pagar fortunas por isso. Existem planos de saúde para todos os perfis e bolsos. Conheça as opções e invista na sua proteção.

Este artigo foi útil para você? Deixe um comentário!