Conheça os procedimentos que um plano ambulatorial cobre

Conheça os procedimentos que um plano ambulatorial cobre

A cobertura ambulatorial é a modalidade mais básica de um plano de saúde. Ela é destinada, principalmente, a jovens e adultos que não apresentem histórico de doenças na família. Continue a leitura e saiba detalhes.

O que a cobertura ambulatorial cobre

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) define quais são os serviços obrigatórios de cada segmentação assistencial dos convênios particulares. Essas exigências estão descritas no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde, documento atualizado pela entidade a cada dois anos.

No caso dos planos ambulatoriais, abrange-se o atendimento mais elementar. São as consultas médicas, tanto em clínicas quanto em consultórios descritos no contrato, além de exames complementares. O pacote prevê, ainda, tratamentos que não exijam internação hospitalar.

Na lista de procedimentos especiais, pode-se incluir hemodiálise, quimioterapia, radioterapia e hemoterapia. Cabe verificar, junto à operadora, as condições para o usufruto em cada situação.

Por fim, vale ressaltar que essa segmentação também dá direito a atendimentos de urgência e emergência, contanto que ocorram em até 12 horas. Passado o período, eventuais despesas hospitalares deverão ser pagas pelo paciente.

Devido ao caráter mais básico desse tipo de convênio, as mensalidades costumam sair bem em conta. Porém, não há cobertura para cirurgias, partos ou outros serviços de contratos mais completos.

Quando recorrer ao plano de saúde ambulatorial

Um plano ambulatorial costuma ser a opção do público que se preocupa com a própria saúde, mas não dispõe de muitos recursos para investir. Essa tende a ser a realidade de jovens em início de carreira ou indivíduos que ainda não tenham constituído família.

O estilo de vida costuma pesar na escolha. Quem pratica atividades físicas, controla o peso e não fuma apresenta poucos fatores de risco. Logo, se não houver histórico de problemas crônicos entre os parentes próximos, é provável que a cobertura básica cumpra sua função.

Com a segmentação ambulatorial, o beneficiário estará apto a realizar check-ups anuais e outros exames de rotina. Nessa programa de cuidados, conseguirá identificar problemas antes que evoluam para quadros mais graves.

A desvantagem é a falta de assistência para cirurgias ou para internação hospitalar devido a doenças. Ora, mesmo quem toma precauções está sujeito a imprevistos, como um acidente de trânsito ou uma infecção por dengue.

Casais em idade fértil, por sua vez, devem tomar medidas para evitar uma gestação fora de hora. O atendimento ao parto está assegurando somente num plano hospitalar com obstetrícia. Mesmo que se efetue a migração de modalidade do convênio, será preciso aguardar o prazo de carência, que pode chegar a 180 dias.

Na dúvida, o melhor a fazer é comparar preços e vantagens de cada plano de saúde. A ANS também disponibiliza o Índice Geral de Reclamações, ranking que mede o nível de satisfação dos usuários de cada operadora.

Tirou suas dúvidas sobre a cobertura do plano de saúde ambulatorial? Acha que esse tipo de convênio pode ser o certo para suas necessidades? Deixe um comentário! E aproveite para continuar de olho no nosso blog. Aqui, sempre tem novidades sobre o ramo da saúde suplementar.