Entenda o tempo de carência dos planos de saúde

Entenda o tempo de carência dos planos de saúde

Quem recorre a um plano de saúde pela primeira vez talvez não saiba, mas é necessário esperar um tempo até que o serviço possa ser utilizado. Esse período é o chamado prazo de carência, que também vigora em casos de mudança do convênio.

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) estabelece as regras para esse intervalo. Dependendo do procedimento, podem-se esperar até 300 dias para que o atendimento fique à disposição do cliente. Portanto, a dica de ouro é ler o contrato com atenção.

Regras para o prazo de carência do plano de saúde

A operadora do plano de saúde tem direito de definir o tempo de carência dos serviços. Contudo, esse intervalo não pode ser superior aos limites estipulados pela ANS.

Para episódios de urgência e emergência, o tempo de espera a partir da contratação deve ser de, no máximo, 24 horas. Entram nessa categoria os acidentes pessoais, os riscos imediatos à vida do paciente, as complicações gestacionais e as lesões irreparáveis.

Nas demais situações, o aguardo pode chegar a 180 dias. Figuram nesse rol exames, cirurgias e internações, por exemplo.

A carência fica ainda maior se o consumidor souber que tem uma doença ou lesão preexistente. Durante os primeiros 24 meses, ele cumpre a chamada Cobertura Parcial Temporária (CPT). Essa modalidade não dá direito a leito em UTI nem a procedimentos de alta complexidade ou intervenções cirúrgicas em decorrência do problema.

Já para partos, a janela para a cobertura após o ingresso no convênio é de até 300 dias. As exceções são para nascimentos prematuros ou consequentes de alguma complicação durante a gravidez.

Não custa lembrar que as empresas operam com diferentes condições e vantagens para seus beneficiários. Planos coletivos empresariais costumam exigir um prazo de carência menor, ou mesmo aboli-lo completamente. Por isso, vale a pena comparar as diferentes opções do mercado.

Check-ups anuais são importantes para manter a saúde em dia, especialmente se a sua família apresenta algum histórico de doença crônica. Logo, quanto menor a espera, mais cedo você pode realizar exames e consultas médicas pelo plano de saúde. Fique atento aos prazos, na hora de assinar o contrato.

Regras para portabilidade de carências

Seja por causa de um orçamento apertado ou devido à insatisfação pelos serviços prestados, o cliente tem a possibilidade de solicitar transferência para outro plano de saúde. Com o recurso da portabilidade, não é necessário cumprir novo prazo de carência.

A Agência Nacional de Saúde Suplementar também determina como o procedimento deve ser feito. Primeiro, é necessário verificar, no Guia da entidade, quais pacotes são compatíveis com a migração.

Para que a mudança seja efetuada, a pessoa deve ter permanecido pelo menos dois anos com o vínculo anterior. No caso de quem cumpre CPT, a vigência do contrato original deve ser de, no mínimo, três anos.

A partir da segunda portabilidade, o tempo de permanência obrigatória cai para um ano. Outras informações sobre o benefício podem ser encontradas no site da ANS.

Tirou suas dúvidas sobre o prazo de carência dos planos de saúde? Então aproveite para conferir outras dicas aqui no nosso blog.