Primeiros socorros: o que fazer durante emergências

Primeiros socorros: o que fazer durante emergências

Manter a calma durante uma emergência é fundamental. O desespero, além de assustar ainda mais a vítima, pode dificultar o atendimento adequado. Nessas horas, a rapidez dos primeiros socorros faz a diferença. Entenda como agir.

Primeiros socorros exigem calma e objetividade

Nem sempre é fácil pensar racionalmente e tomar decisões sob estresse. Imagine uma mãe com um filho acidentado ou um marido tendo que acudir a esposa, que se sente prestes a desmaiar. Essas cenas do cotidiano, muitas vezes, rendem choro e pânico.

Porém, o medo não pode paralisar ninguém. Ter uma atitude encorajadora e buscar ajuda imediatamente são obrigações do acompanhante. Essa postura mais objetiva garante agilidade para que o socorro chegue logo. Assim, as chances de resolver o problema aumentam.

É prudente ligar para a polícia (190), os bombeiros (193) ou o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU, 192). Será preciso descrever a situação para que a equipe já chegue preparada: o que aconteceu, qual o estado da pessoa, se ela sente dores, se há sangramento aparente, entre outros detalhes.

Em casos graves, o atendente pode solicitar que o indivíduo ao telefone faça um curativo ou realize outro procedimento. Novamente, tranquilidade é a regra. Precisão e agilidade podem significar o salvamento de uma vida.

Após isso, resta aguardar até que os socorristas cheguem. Se possível, pode-se conduzir a vítima diretamente  ao hospital mais próximo – com a pressa que o momento exige, mas transmitindo serenidade e paciência.

Como agir em situações de emergência

Muitas idas ao pronto-socorro decorrem de acidentes domésticos. Crianças e idosos são os públicos mais vulneráveis. Ocorrências no trânsito ou crises súbitas, como infarto e AVC, também demandam atendimento imediato. Veja o que fazer em alguns desses cenários.

Queimadura

Lave o local com água corrente em temperatura fria. Remova qualquer pedaço de tecido que tenha ficado sobre a área. Se surgirem bolhas, faça uma compressa, com gaze e soro fisiológico. Nunca utilize pomadas, cremes, óleos ou receitas caseiras, como manteiga e pasta de dente.

Sangramento

Deite a pessoa, o que diminui o fluxo sanguíneo. Pressione um pano limpo sobre o corte para estancar a hemorragia. Não tente remover cacos de vidro, farpas ou outros objetos perfurantes, pois isso pode piorar o ferimento.

Desmaio

Mantenha o sujeito deitado, com a cabeça e os ombros em posição baixa. Afrouxe as roupas do indivíduo e procure arejar o ambiente. Se houver vômito, vire a cabeça de lado para impedir o sufocamento.

Engasgamento

Abaixe a cabeça da vítima e dê tapas fortes em suas costas. Se não adiantar, recorra à manobra de Heimlich.

De pé, fique atrás do engasgado. Pressione uma mão fechada contra o abdômen da pessoa, entre o umbigo e as costelas. Com a outra mão, puxe o punho para cima, em movimentos rápidos. Repita o procedimento até o corpo estranho ser expelido.

Outras situações

Procure avaliar a gravidade do quadro. Se a dor não passar ou você não conhecer o procedimento correto, busque assistência médica. A ação é recomendada, principalmente, para reações alérgicas severas, intoxicação, perda de consciência ou sintomas de infarto e acidente vascular cerebral.

E lembre-se: qualquer plano de saúde dá direito a atendimento de urgência gratuito por até 12 horas. Pacotes mais abrangentes estendem esse benefício. Consulte sua operadora e verifique as condições do convênio.

Este artigo foi útil para você? Deixe um comentário!