Medicina preventiva X medicina curativa: saiba a diferença

Medicina preventiva X medicina curativa: saiba a diferença

Prevenir é melhor que remediar, diz o ditado. Em outras palavras, mais fácil (e barato) evitar um problema que tratar as consequências depois. Só que nem sempre estamos livres de complicações de saúde. É por isso que os médicos trabalham com duas abordagens: medicina preventiva e medicina curativa. Entenda a diferença entre elas e a importância de cada uma.

O que é medicina preventiva?

A medicina preventiva é a especialidade dedicada à prevenção de doenças e lesões. Em vez de tratar enfermidades ou amenizar os sintomas, busca-se a adoção de hábitos saudáveis no dia a dia. Com isso, a pessoa tem menos riscos de contrair problemas crônicos.

Os profissionais da área incentivam ao consumo de alimentos saudáveis, por exemplo. Um cardápio balanceado, rico em vegetais e carnes magras, contribui para o equilíbrio das funções do organismo. Sem tanta gordura ou açúcar acumulando-se no corpo, caem as chances de o paciente desenvolver diabetes, hipertensão ou obesidade.

O combate ao tabagismo é outra bandeira levantada pela medicina preventiva. As mais de 4,5 mil substâncias tóxicas presentes no cigarro estão associadas a enfisema pulmonar, infarto e alguns tipos de câncer. Completando a lista de boas práticas, entram a atividade física e os cuidados com a higiene pessoal.

Convênios particulares cumprem um importante papel na prevenção de riscos. A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) estimula as operadoras a criarem programas dessa natureza. As campanhas servem para contribuem com o bem-estar dos beneficiários.

Além disso, até mesmo o plano de saúde ambulatorial mais básico garante acesso a exames e consultas periódicas com o médico. O check-up anual é outra precaução, pois ajuda a detectar eventuais problemas antes que evoluam. Nos estágios iniciais, qualquer doença tem mais potencial de cura.

O que é medicina curativa?

É nesse ponto que se enquadra a medicina curativa. A abordagem consiste no acompanhamento continuado para lidar com sintomas e outras consequências de doenças.

Infelizmente, alguns quadros crônicos são genéticos. Mesmo quem adote uma rotina saudável pode apresentar colesterol alto, diabetes e até mesmo câncer. Sem contar que qualquer pessoa está sujeita ao imponderável: um acidente de carro, uma queda no chuveiro ou qualquer outra situação que demande atendimento de emergência.

O tratamento desses problemas tende a se estender por meses – quando não dura a vida toda. É preciso ir mais vezes ao consultório e realizar baterias frequentes de exames. Nos casos mais complicados, há necessidade de cirurgia e internação.

Nessas horas, contar com um plano de saúde hospitalar faz a diferença. O contrato garante, tanto ao titular quanto aos dependentes, a possibilidade de passar por procedimentos médicos diversos sem pagar fortunas por isso. A ANS fiscaliza as empresas e investiga possíveis irregularidades. Assim, assegura-se um serviço de qualidade aos clientes.

Em resumo, recorrer à saúde suplementar significa proporcionar mais tranquilidade a você e à sua família. Conheça as diferentes modalidades de planos e escolha o convênio mais adequado às suas necessidades. Seja medicina preventiva, seja medicina curativa, o importante é investir numa vida mais saudável.

Este artigo foi útil para você? Deixe um comentário! E continue de olho no nosso blog para conhecer outras informações sobre planos de saúde.