Planos de saúde podem mudar a rede conveniada do contrato?

Planos de saúde podem mudar a rede conveniada do contrato?

Uma dúvida frequente dos beneficiários de planos de saúde diz respeito a alterações na rede conveniada. Afinal, as operadoras podem excluir ou substituir prestadores de serviço durante a vigência do contrato? A resposta curta é sim, mas desde que o consumidor não saia prejudicado. Continue conosco e entenda os detalhes.

Rede conveniada pesa bastante na escolha do plano de saúde

A rede conveniada é um dos aspectos mais importantes da saúde suplementar. Na hora de escolher a operadora, você deve verificar a lista de médicos, hospitais e laboratórios que atendem pelo plano privado.

Dê preferência aos profissionais e às unidades de saúde próximos a sua casa ou seu local de trabalho. Isso garante um acesso mais fácil quando houver necessidade.

Se você faz tratamento para doenças crônicas, como diabetes ou HIV, também é prudente observar se a rede oferece consulta a especialista. Nos exemplos aqui descritos, as visitas ao endocrinologista ou ao infectologista costumam ser frequentes. Portanto, é melhor que o plano de saúde abranja essas especialidades.

Os procedimentos previstos na cobertura do convênio devem estar descritos no contrato. O mesmo vale para a lista de endereços e profissionais que compõem a rede conveniada. A partir do momento em que você assina o acordo, é seu direito usufruir de todos os serviços da lista (desde que cumprido o período de carência, claro).

Regras para alteração da rede conveniada do plano de saúde

De acordo com a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), a operadora deve manter a rede conveniada que foi oferecida no ato da contratação. Porém, às vezes é necessário realizar alguns ajustes.

Qualquer alteração deve ser solicitada à ANS, órgão responsável por regular e fiscalizar a atividades dos planos privados no Brasil. Autorizada a mudança, há duas possibilidades que a operadora pode seguir.

Em caso de substituição de um prestador de serviços por outro equivalente, a empresa precisa manter o mesmo nível de qualidade. Os consumidores devem ser informados da alteração com pelo menos 30 dias de antecedência.

Para a exclusão de um prestador de serviços, a companhia tem que assegurar a capacidade operacional da rede conveniada. Em outras palavras, os beneficiários continuarão tendo acesso à cobertura de sempre, sem custos adicionais nem queda no padrão de atendimento.

Bem, mas isso é o que diz a lei. Infelizmente, nem sempre as operadoras cumprem o combinado.

Insatisfação com o plano de saúde: como resolver?

Se você notar alguma irregularidade no plano particular, entre em contato com a Central de Atendimento ao Consumidor da operadora. Esse é o primeiro canal para tentar resolver o problema.

Não deu certo? Então procure a ouvidoria da empresa. O site da ANS possui uma ferramenta de busca com os endereços, e-mails e telefones.

Persistindo o impasse, ainda cabe fazer uma denúncia à própria ANS, pelo telefone 0800.701.9656. A agência vai intervir para encontrar uma solução.

Lembre-se, por fim, de que você pode efetuar a migração. Essa é uma alternativa para trocar de plano de saúde sem cumprir novo período de carência.

Esperamos que as regras para alterações na rede conveniada tenham ficado claras. Gostou? Então continue de olho em nosso blog para saber mais sobre saúde suplementar. Até a próxima!